Eu poderia colocar o título desse artigo como perrengues de viagem: histórias que eu gostaria de enterrar num buraco, rs – mas a verdade é que hoje eu dou altas risadas com cada história e vivo falando para os meus amigos: viagem sem perrengue NÃO é viagem! E sim, embora eu escreva um blog de viagens, eu sou RAINHA desses perrengues!

Não me julguem. Obrigada, de nada! Vamos começar?

Búzios e a Pousada Mal Assombrada

Em 2012 fechei uma viagem para Búzios com a minha irmã – compramos uma hospedagem em site de compras coletivas que era perfeito: suíte master, vista para piscina, ar condicionado, 5 minutos andando para praia. Princesas! Merecíamos aquele descanso… íamos tirar onda.

Chegamos em Búzios bem tarde e um morador que estava dentro do nosso ônibus, disse que era melhor a gente descer no Centro ao invés de ir até a rodoviária e de lá pegar um táxi – disse que a pousada ficava MUITO longe. Achamos estranho, mas OK! Ao pegar o tal táxi, o taxista achou estranho, ele disse que nem sabia que ali tinha pousada. Era uma rua de ladeira (bem íngreme) e sem saída. Começaram aí nossos questionamentos: ‘5 minutos a pé de que praia? como vamos andar sozinhas por aqui sem carro?’

Fomos atendidas por um homem que nem se apresentou – nos levou a um quarto, atrás da pousada (meio separado) num caminho de pedras. Ah! No caminho a gente passou pela piscina: suja. A vista do quarto? mato. pousada. Cade minha vista pra piscina? pensamos OK, calma. Vai melhorar! Né possível… vamos pensar de forma otimista! Acha que eu tô exagerando?

Ligamos a televisão e ela desligou sozinha. Ligamos de novo, desligou de novo! Começamos a ficar assustadas real oficial. Você acha que não tem como piorar, mas sempre tem… o chuveiro não ficava quente. Desarmava de 2 em 2 minutos, rs. Tomamos banho frio congelante! No dia seguinte quando descemos, não tinha ninguém na recepção, a tal administração tava fechada, os quartos com a tal ‘vista para piscina’ vazios… achamos tudo muito esquisito, de verdade.

Se você tá se divertindo lendo esse caso da pousada mal assombrada, não pode perder os artigos das minhas amigas blogueiras de viagem: Soraia com sua histórica cômica no aeroporto, Fefa com histórias verídicas e engraçadíssima, Bárbara falando sobre a campeã mundial do perrengue Namíbia, Dani falando do perrengue de voos e aeroportos, Ju falando sobre a noitada dela em Viena e Cecília falando sobre como dar a volta por cima em relação aos perrengues.

Bom, conseguimos fechar uma outra pousada, tomamos café da manhã, pedimos o taxi e avisamos que não ficaríamos lá. A mulher que escutou a gente ficou super sentida perguntando se tinha acontecido algo, só falamos que não, que achamos longe do centro – com certeza se fosse hoje eu mandaria a real, mas né, 2012, não tinha lá essas experiências e fiquei com pena da moça – e o taxista disse que não éramos as primeiras a fazer o mesmo.

Ou seja: terminamos a viagem como merecíamos. Pousada perto da praia, confortável, segura, nada de mal assombrada, bebendo nossos bons drinks na praia. Lição aprendida: procurar melhor todo e qualquer lugar que vou me hospedar. Nem sempre as fotos são reais, né? bom, não reclamo porque esse perrengue aí foi enviado para um blog que fez um concurso e ganhei um livro com essa história! hehe

Na montanha faz sol!

Esse é daqueles ‘perrengues’ que a gente até tem vergonha de contar, sabe? bom, fiquei 15 dias em Vancouver e estava muito calor. Saia todos os dias de short e levava um casaquinho fino para voltar a noite, se tivesse batendo um ventinho mais frio. Tudo bem até aí.

Resolvi ir um dia para Whistler e o ônibus saia beem cedinho – logo, eu não tinha como ver como estava o tempo. Mas olhei no celular e tava uma temperatura normal, de todo dia, 17/20 graus. Falei: OK, vou de short e levo o meu casaquinho fino! Ignorei nesse momento o fato que estava indo para uma MONTANHA! Mas po, na montanha faz sol, né? 😛

Cheguei lá em cima e estava em torno de 10/12 graus a PRIMEIRA parada, rs. Eu tava batendo os queixos, mas me fiz de forte, né? fui até a outra parada, tirei fotos, fiz vídeos… os lábios braaaancos, mas plena! haha

Perrengues de viagem: parte 1

Resultado foi que infelizmente não consegui ficar por lá o dia inteiro como havia planejado, rs. Acabei voltando mais cedo porque não tinha condições de passar frio o dia inteiro!

Gente, vou ter que contar meus perrengues de viagem em várias partes – como a casa mal assombrada ficou muito grande, contei 2 e vou deixar alguns para o próximo – então essa foi a parte 1 dos perrengues de viagem. Se você gostou e quer mais, não esquece de comentar aqui pra eu criar os próximos posts dessa série! rs

Obrigada por terem lido até aqui meus perrengues de viagem e acharem graça das histórias! Até o próximo post 🙂